segunda-feira, fevereiro 29, 2016

«Sonhos de sonhos»

[«forçado desligar» da «Máquina APN», pelas 4 (!!) permitiu «conservar» as Imagens seguintes...]

FRAGMENTO 1:
- imagens do quotidiano na Casa do Feijó, onde a General Z e D. se ocupavam de uma menina - cerca de 10 anos, pequena e magra - que «lhes fora entregue» ... [não aparece Princeso...]

FRAGMENTO 2:
- imagens do Monte, com a referida M., e a Marechal H. R. [não surge a General Z) ; - D. depara-se com o jovem vizinho, com uma faca, em vias de degolar uma das Gal. da Marechal...; «disfarça», conversa e aparece um outro que pergunta a D. «se também é Cons.»...; quando ouve o relato, a Marechal «encolhe os ombros», parecendo habituada a que o vizinho, de vez em quando... [...]

sábado, fevereiro 20, 2016

ECO

[há muito que não (re)lê Eco; é um dos que fica para retomar mais tarde... se T. houver...]

[a leitura de O Nome da Rosa foi feita em Agosto de 84 - imagens nítidas porque:
- o Princeso completou então 4 meses; após uns dias no Monte, onde ainda Reinava a Marechal H.., rumou-se para o Rugido, com P., sobrinho (com cerca de 9, 10, anos... )para casa alugada, ainda...«a meias» com a A. M. e o Z.; 
- houve a célebre Madrug. de C. L., campeão da M...
-  a leitura decorreu muito devagar,  num exemplar do C. de L., emprestado por J. P. G. G. (falecido, cerca de seis, sete, oito anos depois?) - frequentemente a meio da Noite, antes e depois da preparação do «biberão»... 
[ainda D. não pensaria na LIC. na Nova... relembra, inventando agora...]

- relida, há pouco, de ECO,  entrevista ao «DN»

sábado, fevereiro 13, 2016

Auto - retrato; Albuquerque Mendes




Albuquerque Mendes está referenciado numa destas «Casas» [a localizar]

- A. R. reproduzido de artigo («Retrato de Artista Cansado») do Expresso 


- DAQUI

sexta-feira, fevereiro 12, 2016

«Jogo de Espelhos» - Paula Rego

Do DN:
REcorte:
[...] Border Patrol: Self-portrait with Lila, Reflection and Ana [2004]

é uma obra feita em pastel sobre papel. Ao lado de Lila Nunes, habitual modelo da pintora, e de Ana, outra colaboradora, vê-se a própria pintora portuguesa, hoje com 81 anos, numa rara representação de si mesma. [...]

quarta-feira, fevereiro 10, 2016

«Antepassada dela própria» - por Francisco George

- pelas 9 e 15; no Estaminé do sr. Del., V., para a d. M.: «Já viu, tão magrinho, não deve trazer nada para ler...»
[é que a  compra em Papel «sextuplica» a despesa - V. «assina»...  - «remorso» permanente; mas como «acompanhar» o Café, em dia Cinz., como o de hoje?]

- a «boa companhia» foi esta narrativa de F. G., sempre no Presente do Indicativo [...]   

Recorte:
[...] a fotografia de 1953 traduz essa relação à mesa do Mestre Conceição Silva (no topo) na casa de Vila de Frades (Vidigueira). Suzana, a filha que agora caminha para os 111, está sentada à sua direita. [...]
Texto completo: AQUI


[Baú da Família George... («Dossier de Lutas») - por Francisco George - AQUI]

terça-feira, fevereiro 09, 2016

Tratado da Mão

[«Mão Gorda»]

M. J. S. - Mestre Biblio - que a enviou - diz que «é do Verão de 1415 ...»


A Legenda fica para mais tarde construir...

sábado, fevereiro 06, 2016

«País póstumo» (Diário como) - Eduardo Lourenço

Recortes de «Entrevista», de 2003, a Anabela Mota Ribeiro:
[...]
É verdade que tem um diário?
Se já o sabe, para que é que me faz a pergunta?

Porque podia tê-lo deixado a repousar...
Tem uma certa razão de ser...

Tanto quanto sei, é a irregularidade que define o seu contacto com o diário.  
No princípio era uma espécie de projecto de um diário, adiado, adiado para outro país, que se pode chamar póstumo. Depois comecei a arrancar algumas páginas, outras começaram a sair...

Porque é que pensou nele como um projecto póstumo? Tem que ver com um pudor que envolve a esfera privada?
O meu diário é já em si tão narcísico, ontologicamente falando... Salvo os diários de pura constatação, que faziam os secretários dos papas ou dos reis para que constassem as coisas significativas de uma época, os diários são uma invenção moderna. É um indivíduo que, escrevendo o diário, assume-se como criador de si mesmo. [...]

Do Início do Mundo - Eduardo Lourenço

[do mesmo end. da entrada acima-abaixo]

Qual é a memória mais antiga que tem de si?
É a do Porto. Embora tenha nascido na Beira, numa terrinha, vim para aqui pequeno. As primeiras imagens que tenho da vida são do nevoeiro, das fábricas, do nevoeiro que atiravam as chaminés. A família repercute esse género de memórias. Lembro-me da frescura de uma fonte onde o meu pai, que era militar, ia buscar água – é uma imagem rústica daquilo que era uma cidade. A imagem que mais me aterroriza, quando estou distraído, é a imagem de um vermelho sangue, que penso que era de um camião que distribuía a carne. Uma outra imagem, que não é do Porto, mas de Matosinhos, creio eu, é a da primeira vez que vi o mar. Da minha aldeia não se via o mar.

O que é que mais o impressionou? A imensidão ou a profundidade?
Eu devia ter dois ou três anos no máximo. Naquela altura não falava tanto! O mar deixa-nos literalmente sem fala. A imagem não era tanto um mar, mas um barco às avessas, pousado na areia, com aquelas cores, o azul, o vermelho. Da minha aldeia, a imagem que guardo, que é uma segunda imagem, é a da chegada, em cima de uma coisa enorme, podia ser um búzio...
[...]